taxista-imposto-de-renda

Como taxista declara Imposto de Renda?

O ano começou e a preocupação com a declaração do Imposto de Renda também. Podendo ser declarado até abril, o Imposto gera muitas dúvidas. Uma delas é como taxista declara Imposto de Renda.

Muitos taxistas são profissionais autônomos. Isto é, eles recebem seu salário diretamente de seus passageiros, ou seja, de pessoas físicas.

Quem é obrigado a pagar?

Em suma, o taxista só terá que declarar seu Imposto de Renda caso seus rendimentos tributáveis somaram mais de R$22.847,77 em 2018.

Rendimentos tributáveis são salário, aposentadoria (acima de R$ 1.903,98), remunerações extras como aluguel, prestação de serviços, gratificações e comissões.

O que você deve saber antes de pagar?

Os taxistas que trabalham com transporte de passageiros só terão 60% dos rendimentos tributados. Assim, os outros 40% serão isentos do Imposto de Renda, reduzindo, assim, o imposto a ser pago.

Dessa forma, essa isenção parcial é concedida aos taxistas pelo Governo uma vez que os custos destes profissionais com manutenção e combustível precisam ser compensados.

Carnê Leão

Uma outra condição imposta aos profissionais sem carteira assinada, liberais e autônomos é o pagamento do Carnê Leão. Ele nada mais é do que uma forma de recolhimento mensal para todos os contribuintes que recebem seus rendimentos de pessoas físicas ou, até mesmo, vindos do exterior. Pagamentos vindos de pensão alimentícia também entram no cálculo.

Mas como saber quanto deve pagar? O próprio programa se encarrega do cálculo. Alguém está isento? Se os rendimentos tributáveis mensais do profissional somarem R$1.903,98 ele não precisa pagar. Entretanto, para valores superiores a este a alíquota pode variar entre 7,5% e 27,5%.

Sendo assim, você vai precisar pagar duas taxas? Não! Isso porque o Carnê Leão é apenas uma antecipação. Dessa forma, será abatido no valor final do Imposto de Renda.

Como taxista declara Imposto de Renda?

Existem duas formas de declaração do Imposto de Renda: simplificada e completa. Na simplificada, o desconto padrão é de 20% (limitado a R$ 16.754,34) sobre os rendimentos tributáveis. Assim, ela é uma ótima opção para os profissionais que não possuem muitos rendimentos tributáveis. Ou seja, para o contribuinte que tem apenas uma fonte de renda, poucas despesas com educação, saúde e nenhum dependente.

Dessa forma, só é necessário somar todos os rendimentos obtidos no ano anterior e sobre este valor será atribuído o desconto.

Já a declaração completa é melhor para os profissionais que possuem mais de uma fonte de renda, dependentes e muitas despesas com saúde e educação. Nesse modelo, o contribuinte deverá informar detalhadamente todos os seus gastos. E atenção: todos os comprovantes devem ser guardados por, no mínimo, cinco anos – prazo que a Receita Federal tem para contestá-los.

Como as deduções funcionam na prática?

Por exemplo: Cláudio Roberto, 38 anos, é professor e taxista. Ele é casado, tem dois filhos, gastos de saúde com todos da sua casa e contribui com a Previdência Privada. Os gastos dele com plano de saúde não têm limite para a dedução. Já os gastos com a educação de seus filhos estão limitados a R$3.561,50 de dedução. Além disso, os gastos gerais com sua família, ou seja, seus dependentes, podem ser abatidos em até R$2.275,08 por cada pessoa.

Cláudio pode, ainda, abater o valor das contribuições com a previdência privada. Assim sendo, caso ele tenha o Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi) ou o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), a dedução está limitada a 12%.

Entretanto, o irmão de Cláudio, Luiz Roberto, contribui para a Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Assim, ele não poderá abater o valor uma vez que esta modalidade não está inclusa na dedução.

Tabela atualizada

Para 2019, a Receita Federal divulgou a tabela com os percentuais do cálculo do imposto de renda:

Malha Fina

Por fim, muitos contribuintes depois de declararem seu imposto de renda acabam caindo na Malha Fina. Mas, o que é isso? Em resumo, a Malha Fiscal da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física, ou Malha Final, é a revisão das declarações. Assim, através dela, a Receita verifica as informações e as cruzam com o banco de dados.

Contudo, o que pode fazer o contribuinte cair na Malha Fina? Geralmente, a omissão de rendimentos ou erros de digitação são os erros mais comuns que levam boa parte dos contribuintes para a Malha Fina. Por isso, vale a pena contratar um profissional para fazer a análise da sua declaração.

Imposto Reduzido

Transita no Senado Federal o Projeto de Lei Suplementar (PLS) 462/2017. Em análise na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), o projeto busca reduzir o imposto pago pelos taxistas de 60% para 20%.

O benefício seria concedido por cinco anos. Na apresentação do projeto, o senador Roberto Rocha (PSD-MA) justificou o PLS que seria “uma transição, para atender inclusive à Lei de Responsabilidade Fiscal, por um período de cinco anos. E fazer com que o taxista possa, com essa desoneração, ter melhor condição de concorrência no mercado”.